Prefeitura de Manaus estuda uso do cartão cidadão para o sistema Manôbike

Manaus pode ser pioneira em implantar a integração do uso do cartão cidadão para o sistema de bicicletas compartilhadas, o Manôbike, que foi inaugurado no mês passado, promovendo a integração de modais que atuam na cidade. Nesta quarta-feira, 24/5, representantes dos órgãos municipais e empresa operadora do sistema se reuniram para fazer o alinhamento da proposta. Um grupo de estudo foi criado para concretizar a implantação da integração e, desta forma, melhorar o atendimento à população usuária.

Participaram do encontro o diretor-presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), engenheiro Claudio Guenka, o novo superintendente Municipal de Transporte Urbanos (SMTU), Marcel Alexandre, o diretor jurídico do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado (Sinetram), Fernando Moraes, e a diretora jurídica da operadora do projeto, Luciana Berardi. No próximo dia 30, na sede da SMTU, haverá uma segunda rodada de encontro, com a participação da diretoria e técnicos do Implurb e representantes do Sinetram, dando continuidade aos trabalhos.

“A Prefeitura de Manaus promoveu um grande avanço ao implantar o Manôbike. E agora sentamos com o SMTU, Sinetram e a empresa operadora para continuar as tratativas já iniciadas e definir como fazer a integração entre os modais de transporte mas, principalmente, realizar a integração com o uso do cartão cidadão, que é prevista no edital assinado com a operadora do projeto”, explica Guenka.

Segundo o diretor, a pauta é conhecida entre os envolvidos e agora é avançar em questões técnicas, jurídicas e tecnológicas para verificar as possibilidades reais para integrar sistemas. “Assim que avançarmos no diálogo entre Implurb, Sinetram e SMTU, e havendo o aval de todos, a empresa vai operacionalizar o uso integrado”, fala o diretor-presidente do Implurb.

Ele lembra que esse modelo seria inédito no Brasil, já que hoje existem previsões em várias prefeituras brasileiras e apenas um projeto-piloto em andamento no Rio de Janeiro. Outro tema em pauta é a previsão de ampliar o Manôbike, estendendo sua rede de ciclorrotas e estações.

Para o presidente do SMTU, Marcel Alexandre, o desafio é incentivar e criar uma nova cultura em todos os sentidos: “Tanto na cultura de pessoas para se mover, quanto na cultura empresarial. É preciso valorizar e empreender ações boas para todos, para a população, para o empreendedor e para a Prefeitura, oferecendo melhores serviços”, explica.

No que depender do Implurb e SMTU, todo o apoio será dado para a integração avançar. Marcel adiantou que há projetos futuros relacionados, como adaptar ônibus para receber bicicletas dos usuários, como existem já em outras grandes capitais. “Manaus pode sair à frente no Brasil, com um modelo urbano e um modal novo. Essa é uma determinação do prefeito Arthur Virgílio Neto, de buscar inovações”.

O grupo de estudo e trabalho vai verificar a viabilidade da integração, segundo entendimento de Fernando Moraes, do sindicato. “Somos favoráveis a toda e qualquer forma de melhoria a ser implantada no sistema de transporte público da capital. Nossa questão é resolver entraves técnicos e jurídicos, mas vamos trabalhar em conjunto com Implurb e SMTU para chegar a esse avanço”.

A diretora jurídica da empresa que opera o projeto, Luciana Berardi, acha fundamental a integração por atender ao Plano de Mobilidade e ser uma tendência mundial. “Manaus se tornaria uma das Prefeituras pioneiras nesta integração e há uma vontade absolutamente forte de todos os órgãos envolvidos. Quem ganha com isso é a população, com um sistema novo, moderno e de acordo com a política ambiental. É uma forma fantástica para desenvolver a operação”, diz Berardi.

O projeto

Com o lançamento do Manôbike, que tem patrocínio da Hapvida, a Prefeitura de Manaus, por meio da política pública de mobilidade e transporte defendida pelo prefeito Arthur Virgílio Neto e o vice-prefeito Marcos Rotta, aumenta o incentivo a meios não poluentes e que visam a melhoria na qualidade de vida dos cidadãos.

A Samba é a responsável pela implantação, operação e manutenção do sistema e assinou Termo de Cooperação com a Prefeitura, após sair vencedora do edital de Chamamento Público lançado pelo Implurb.

Estações e pontos

Manaus tem 11 estações, em pontos como o Mercado Municipal Adolpho Lisboa, a centenária avenida Eduardo Ribeiro, Igreja N.S. dos Remédios, Praça do Congresso, Beneficente Portuguesa, citando alguns.

O sistema funciona de segunda-feira a domingo, das 6h às 23h, para retirada do equipamento, e 24h/dia para devolução. As bicicletas, cujo sistema é alimentado por energia solar, são 100% nacionais. Manaus tem 110 bikes disponíveis para as 11 estações, mas a rede poderá ser ampliada futuramente, conforme demanda. O Termo de Cooperação tem prazo de 36 meses e não há ônus para o Município.

Como funciona?

Após cadastro no aplicativo e/ou no site (www.manobike.com.br), o usuário da Manôbike terá a opção de adquirir o passe mensal (R$ 10) ou diário (R$ 5), e não paga valor adicional desde que use de acordo com as regras do projeto. De segunda a sábado, o uso pode ser de 60 minutos ininterruptos, quantas vezes por dia o usuário desejar, desde que respeite o intervalo de 15 minutos entre as viagens. Aos domingos e feriados, o uso passa a ser de 90 minutos.

As estações da Manôbike funcionarão alimentadas por energia solar e são interligadas via sistema de comunicação sem fio, redes 3G e 4G, permitindo que estejam conectadas 24 horas por dia.

Fonte: Prefeitura de Manaus

Deixe um Comentário